Unmade Bed

Título da performance: Unmade Bed
Autor: T. Angel
Performer: T. Angel
Procedimentos de perfuração: T. Angel
Trilha sonora: T. Angel
Duração: 3 horas*
Ano: 2012

Sobre:

“What are you thinking about? You always hated when I asked that question. It’s a tricky question you used to say. That it’s an illusion to pretend that we can bridge the gap between your thoughts and mine. For you, every person is like a planet and two different planets can never become one. Two people together will always be: one plus one. I preferred to think of us as bubbles, because when they touch, they merge into one another like when two people make love. But now I know what you meant. Two people together will always be one plus one.”
Unmade Beds, EUA, 2009.

“Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim, nem que eu faça a falta que elas me fazem. O importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível, e que esse momento será inesquecível”
Fernando Pessoa

“Awoken by a cloud of steam
She pours a daydream in a cup
A spoon of sugar sweetens up”
Oren Lavie

Há um momento no tempo em que ele para.
Um momento em que os sagazes ponteiros dos relógios, com seus famigerados e incansáveis tique-taques se emudecem. Assim como se calam todo o entorno, o contorno, o transtorno, o retorno… Silêncio.
Nessa realidade e espaço outro, eu te digo que 1 + 1 = 1. Olhe as bolhas no ar…
Há um momento em que a tênue linha que separa o sonho da realidade se rompe. Dissolve-se na língua e na saliva como algodão doce, nos (pre)enchendo de ternura e adocicando a alma.
Olho por olho: o silêncio é barulhento, você pode ouvir. Torpor.
Unmade Bed é uma performance de T. Angel, que pretende explorar as multi-possibilidades de comunicação e interconexão entre corpos. O artista convida o público presente – um a um e em distintos intervalos – para vivenciar um momento no tempo. Momento este em que cada um será insubstituível e inesquecível.
É uma sugestão de trocas de afagos, carinhos, abraços, ainda que aconteçam não necessariamente através do toque.
É uma sugestão de trocas de palavras, conselhos, afetos, ainda que aconteçam não necessariamente através da palavra falada.
Em um mundo aparentemente cansado, com uma sociedade visivelmente doente e com sinais evidentes de apodrecimento, se faz necessário (re)agir. Este trabalho busca – de forma bastante simplista – criar uma corrente contrária ao ódio. Gerar um movimento que vá contra às recorrentes ondas de intolerância, totalitarismo, violência, sugerindo o amor como combustível supremo e sagrado para as ações mais corriqueiras, como se deitar ao lado de alguém e simplesmente viver aquele momento com toda potência e honestidade possível.
Como troca, pede-se ao público participante que escreva uma palavra no livro de cabeceira do artista, isto é, seu próprio corpo.
Querer viver bem, que mal tem?

Fotos: Leandro Pena | Ludmila Castanheira | Thaise Nardim

Este slideshow necessita de JavaScript.

Performance que integrou o XI Festival de Apartamento de Fevereiro.

Anúncios
Comments
One Response to “Unmade Bed”
Trackbacks
Check out what others are saying...
  1. […] não é possível. Aquela coisa da deficiência que falei acima cabe aqui também. A exemplo, em Unmade Bed a estética e a produção eram muito importantes e a mensagem era passada através desses itens. […]



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: